10 maio Plástico que combate o aedes aegypti

Preocupada com a onda de casos de doenças transmitidas pelo mosquito Aedes Aegypti, a empresa Symphony, uma multinacional inglesa especializada em criar e desenvolver aditivos para produzir plásticos inteligentes, lançou recentemente mais uma de suas tecnologias: um aditivo que promete contribuir para o combate dos mosquitos transmissores do Zika vírus, dengue, Chikungunya e também da febre amarela.

Um aditivo é uma substância adicionada para melhorar o processo e o desempenho de alguma matéria e foi nomeado como aditivo d2p Anti-inseto. Os componentes ativos dessa inovação são exatamente os mesmos daqueles usados em inseticidas domésticos de fácil acesso e vendidos para o consumidor. Ou seja, com ação repelente, o plástico agora também pode ser um aliado para combater os mosquitos que transmitem as doenças.

Durante a fabricação do material plástico, componentes químicos que repelem os mosquitos são adicionados, funcionando como uma película que afasta os mesmos. A aplicação dessa tecnologia é muito ampla e praticamente ilimitada, sendo indicada para aplicação em vários tipos de materiais, como vestuário, vasos de plantas, calhas plásticas e telas de mosqueteira.

Eduardo Van Roost, diretor da empresa credenciada pela Symphony para comercializar suas tecnologias e aditivos no Brasil, a RES Brasil, afirma que o plástico fabricado com o aditivo d2p Anti-inseto funciona como um repelente e inseticida. Afirma, também, que é uma tecnologia não tóxica, testada e aprovada por órgãos fiscalizadores do mundo inteiro. Sendo assim, se a indústria apostar nesse produto, a saúde dos brasileiros será a maior beneficiada com a tecnologia oferecida.